Saiba o que fazem hoje os ex-vereadores de Pinhais não reeleitos em 2016

Cargos eletivos podem ter vida longa ou curta, tudo depende da forma de atuação de quem ostenta. Alguns atores deixam a arena política por livre e espontânea vontade, outros não, disputam, lutam e correm atrás da permanência mas nem todos conseguem atingir o objetivo desejado, a reeleição. Coisas da política!

Claro, a vida continua, nem poderia ser diferente. Mas o que fazem os ex-vereadores de Pinhais que não foram reeleitos para gestão 2016/2020?

Veja abaixo:

1 – Ari Valdir (PSDC): Não conseguiu retornar à Câmara em 2016. Atua na iniciativa privada e na área da comunicação.

2 – Demétrio (PP): Não disputou a reeleição em 2016. Atua na iniciativa privada.

3 – Gilberto Kartkopf (PT): Não alcançou o objetivo de continuar na Câmara de Vereadores. Em 2017 assumiu cargo em comissão na condição de Diretor de  Esporte e Lazer na Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Pinhais percebendo salário de R$ 8.395,29.

4 – Joãozinho Ribeiro (PSB): Não foi reeleito. O ex-vereador também assumiu  cargo em comissão como Diretor do Departamento de Planejamento, Conservação e Educação Ambiental na Secretaria de Meio Ambiente de Pinhais onde percebe vencimentos  no valor mensal de R$ 8.395,29.

5 – Leonildo Gordo (PRB): Não conseguiu a reeleição em 2016. Atua na iniciativa privada.

6 – Márcia Ferreira (PMDB): Não foi reeleita, pois disputou as eleições de 2016 como vice-prefeita em uma coligação com o PSDC. Assumiu cargo em Comissão no município de Almirante Tamandaré como Diretora de Esporte e Lazer, com salário de R$ 5.000,00.

7 –  Osvaldo da Igreja (PT):  Não entrou no páreo eleitoral de 2016. Mudou-se para o Norte do estado.

8 – Passarinho: Não foi reeleito, pois disputou o pleito de 2016 na condição de candidato a prefeito de Pinhais.   Iniciou a vereança no PSC e migrou para o PSDC. Atua na iniciativa privada.

9 – Rosa Maria: Foi eleita vereadora pelo PT em 2012, migrou para o Pros e disputou as eleições de 2016 como vice-prefeita em coligação com o PDT de Marli Paulino. Pelos serviços prestados ao Município, percebe salário de R$ 15.394,13.

10 – Silvio Star (PPS): Não foi reeleito, porém, ficou como primeiro suplente de seu partido. Assumiu cargo em comissão como Diretor do Departamento de Agricultura e Abastecimento na Secretaria de Desenvolvimento Econômico com salário de R$ 8.395,29.

11 – Zezinho (PMDB):  Não disputou o páreo, mas se dedicou à campanha de seu filho, “Leandro do Zézinho” (PMDB). Atua na iniciativa privada.

No Portal

Os dados em relação aos ex-vereadores que assumiram cargos em comissões após o pleito de 2016 estão disponíveis no “Portal da Transparência” dos respectivos municípios.

 

 

 

2 Comments

  1. Bom Dia Chicão, existem boatos que na prefeitura é um ninho que acomoda, praticamente, ex parlamentares como funcionários em cargos de comissão. Quais os parlamentares que gozam desses privilégios sem reunirem requisitos para lá estarem? Como que foi feita a seleção de capacidade para o exercício da função?

    Nessa conjuntura onde o controle de despesa é ferramenta indispensável para retomada do crescimento, Pinhais parece que está andando na contramão.

  2. Nessa lista ainda faltam outros de gestões anteriores que ainda continuam na prefeitura com cargos de confiança, oque mais chama a atenção é que curiosamente são aqueles que estavam em partidos coligados ao partido que venceu as eleições!!! Por que será ???

Deixe uma resposta